O QUE ATRAPALHA OS RELACIONAMENTOS??

Qua, 06/10/2010 - 07h08    |   Reportar abuso
Por Moreninha

O QUE ATRAPALHA OS RELACIONAMENTOS??

O Que Atrapalha os Relacionamentos

O que atrapalha os relacionamentos são as expectativas.
Estamos sempre projetando no outro atitudes que teríamos, comportamentos que aprovamos, reações que julgamos mais adequadas. E, quando o outro foge ao script, nos decepcionamos, ficamos frustrados. Com o acúmulo, a seqüência dessas experiências desastrosas, não demora muito e estamos exaustos, a relação desgastada, um ínfimo deslize pode provocar uma avalanche.
Aceitar as pessoas como elas são é a melhor forma de evitar desapontamentos. Mas, para isso, é preciso saber como elas são. E também, deixar claro para elas o que você espera delas.
Conhecer, se deixar conhecer. Nós, as mulheres, temos o defeito de não expressarmos inequivocamente as regras do jogo. Queremos que nossos parceiros adivinhem o que nos vai por dentro. Não importa o quanto um homem ame uma mulher, ele nunca será capaz de entendê-la plenamente. Nós mesmas, às vezes nos surpreendemos, sonhando com coisas para as quais nunca antes havíamos sequer olhado. Converse com ele, isso vai ajudá-la até a se entender melhor. Diga o que gostaria de ganhar no natal, diga-lhe como gostaria que ele a tratasse quando você estiver na TPM ou com uma violenta enxaqueca, deixe claro para ele os comportamentos dele que a incomodam. Não é criar aquele clima que todo homem detesta de “precisamos conversar”... Ao contrário, deixe esses assuntos fluírem naturalmente, enquanto dividem uma taça de sorvete. E aproveite para também ouvi-lo, conhecê-lo. Este entendimento mútuo irá tornar a relação muito mais prazerosa para ambos. Muito provavelmente, ambos sairão de uma conversa dessas com vontade de mudar algumas de suas características para agradar o outro. E certamente, muito mais preparados para lidar com aquelas características do outro que ele assumidamente não será capaz de mudar.
E isso não vale apenas para os parceiros. Vale também para qualquer tipo de relação: com os pais, os filhos, irmãos, amigos, empregados...
Se sua sogra costuma interferir na sua relação com os seus filhos, se seu irmão tem o hábito de pegar seus discos emprestados sem aviso, se aquela amiga andou dando mole pro seu namorado... Converse, esclareça seus pontos de vista. Esteja preparado para ouvir também. E ajude. Se seu filho sempre esquece seu aniversário e isso a entristece, peça a alguém para lembrá-lo. Se a empregada não tira o limo do boxe ou as teias de aranha dos cantinhos, deixe os produtos necessários à mão, crie uma rotina: toda quinta-feira é dia de tirar o limo e as teias.
Com suas expectativas dentro do real, o risco de uma decepção será muito menor e suas relações, muito mais enriquecedoras e felizes.
Porém, algumas pessoas são realmente impossíveis de aceitar como elas são. Elas, definitivamente, estão muito aquém das suas expectativas e não se mostram interessadas em mudar. Neste caso, talvez seja hora de repensar mesmo a relação. E pôr um ponto final nela. Pois, se as expectativas exageradas podem destruir um bom relacionamento, um mau relacionamento pode arrasar com todas as suas expectativas de vida.



Comentar

Comentários (
1
)


0 relevância

joliv

postado:
09/10/2010 - 06h32

Uma verdade, e uma meia verdade

Interessante a discussão, sem dúvida alguma. E sempre oportuna, claro.

Veja...

Mas opinião é muito minha; o que atrapalha os relacionamentos, dos parceiros, não são apenas expectativas não dadas a saber ao outro mas esperadas aconteçam, mas a falta de discussão dessas expectivas desejos e esperanças; a falta de transparência, de ser verdadeiro em tudo, e de tolerância com erros do outro, e até de omissões desde que postas na mesa e corrigidas e não repetidas. Fora isso há o tabu de que muita coisa não se pode ou não se deve abrir a boca e falar, pois há preconceito e pruridos feridos com muitos deles. A lista se não é longa, também não é pequena. Mas que normalmente, na maioria dos casos, os casais se cobram o que jamais falaram um para o outro, nunca deram a conhecer que queriam, gostariam, aceitam e não aceitam, aprovam e desaprovam, topam ou jamais toparão. Isso não é uma meia, é uma verdade.


E começo citando do seu Post "O que atrapalha os relacionamentos são as expectativas. ...

... Estamos sempre projetando no outro atitudes que teríamos, comportamentos que aprovamos, reações que julgamos mais adequadas.", e, "... Mas, para isso, é preciso saber como elas são. E também, deixar claro para elas o que você espera delas. ...
... Conhecer, se deixar conhecer. Nós, as mulheres, temos o defeito de não expressarmos inequivocamente as regras do jogo. ..."

... e mais adiante, algo que me excluo da afirmação:

"... clima que todo homem detesta de “precisamos conversar”... ",

... porque acho fundamental discutir sim, e sempre. Mas sem julgar, sem afirmações levianas, sem crucificar, sem acusar quando não há base, não há o menor fundamento, ou até mesmo uma razoável indicação do que pôde ser interpretado por você da ação ou manifestação do outro, ou até do que o outro imaginou que você ia pensar a respeito.

Como saber, como elas são, se as pessoas não se deixam ver e conhecer? Na minha opinião, e é muito pessoal, o grande vilão das relações, em todos os tempos, sempre foi um ou outro se manter fechado que nem envelope de carta lacrado. Há desde os tempos de antão uma falta de diálogo. Entretanto, nos tempos antigos, as pessoas não falarem de si, de seus gostos, expectativas, aceitação do outro, negação, era algo comum, por conta do dogma de que o homem manda e pode tudo, e a mulher nada pode.

Nisso as relações eram, do lado masculino, castradoras dos desejos e pensamentos, e porque não dos ideais femininos. E como nenhuma mulher punha a boca no trombone, e os homens não lhes permitiam reclamar, raros o faziam com certeza, o mundo virou o que vemos aí. Os casais não conversam, não há diálogo, isso desde o namoro. O que vemos então é um leque de reclamações que se agrava quando se casam. Seguem-se as cobranças, os bate-bocas, muitas vezes, tudo por conta de uma falta de diálogo que bem poderia ter sido a tônica da relação desde o início.

Costumo dizer que uma relação é como a decolagem de um avião, onde se faz um check-list de dezenas de ítens, caso contrário não há decolagem se todos não estiverem de acordo com as necessidades do voo. Afinal o que é um casamento, um namoro?, não é um longo voo a dois?

Outra coisa muitas vezes deixada de lado é o conhecimento. Os casais, os pares, se juntam, mas seguem sendo "ilustres" desconhecidos um para o outro. Há ou o receio de abrir sua biblioteca da vida para o outro, por conta de medos de mal-entendidos, ou simplesmente o desejo de omitir páginas e capítulos inteiros de sua existência para sua/seu parceira(o). E o desastre é relativamente previsível quando o outro começa a descobrir peças soltas de um intricado quebra-cabeça chamado casamento. Não importa se de papel pasado ou não, casamentos são casamentos.

Eugênio Mussak - educador e escritor -, escreveu um artigo interesante na revista Vida Simples de Jun/2010, sobre parceria, e lá ele fala de uma fábula poética mitológica, quando um anjo interpelou Deus sobre um defeito que ele via na criação do Senhor - o homem com uma só asa.

Abre aspas
Um anjo pergunta ao Criador:

- Porque criastes o homem com aquele defeito?

• Que defeito?, pergunta Deus, com brandura.

- Disse o anjo - eu reparei que as pessoas só têm uma asa, e não duas como nós, e sabemos que para voar são necesárias duas asas. Então parece que nasceram defeituosos.

• Acontece querido anjo - falou Deus - que cada homem e cada mulher têm, de fato, duas asas, só que que uma está consigo e a outra está com a outra pessoa. Eu os fiz asim para que eles aprendessem a voar aos pares, e não separados, e dessa forma conseguissem chegar mais alto.

• Além disso - continuou o Criador -, dessa maneira eles também aprenderão a respeitar e a cuidar uns dos outros. Qualquer pessoa que magoe a outra poderá estar machucando sua outra asa, e só pelo amor, nunca pelo ódio - se aprenderá a andar pela vida, aproveitando toda a maravilha que ela tem para oferecer.

...Fecha aspas


E, nem acho que a coisa deva chegar as pequenas coisas, ainda que todas sejam interessantes, já que nem todas devem, a meu ver, receber o rótulo de importantes, não advogo que se chegue a discutir farelos e quirelas, mas a grande parte deve ser discutida, se gerar dúvida, ou mal-entendido, e tudo, absolutamente tudo deve ser dado a conhecer ao outro.

Há terapeutas, e psicólogos que seguem a linha de que nem tudo deve ser contado ou falado para o outro, como forma de evitar mal-estar ou manter parte da sua vida oculta do outro. Eu sou contra!, literalmente contra. Afinal se vou dividir a minha vida com alguém ela deve me conhecer de fio a pavio, de cabo a rabo, e mais tarde não terá que me dizer: "isso eu não sabia de você..." e por aí a fora.

Sigo a linha do saiba TUDO de mim, e me deixe saber TUDO de você.

Só mais recentemente pude por em prática essa modalidade, já que em relações anteriores não encontrei, totalmente, eco às minhas palavras, e linha de pensamento e nem disposição da outra parte em falar. Mas também houve inexperiência dos primeiros anos de vida. Aos 20 anos, não se tem experiência. Ela virá com o tempo. A prática, porém, deveria ser adotada ainda no início da relação, quando ambos estão se conhecendo, se apaixonando - mas aí entra a vilã, a paixão, que muitas vezes não apenas inebria ambos, como põe uma venda em seus olhos e não lhes abre espaço para conversar sobre suas vidas, seu passado, suas expectativas, seus desejos, suas tolerâncias, suas vontades - e isso, é sobre tudo, absolutamente tudo, não apenas sobre o que é light conversar; sobre o que gosta e o que desgosta, o que aceita e não aceita, o que topa e não topa, o que permite e o que não permite. Só assim as pessoas deveriam partir então para uma tentativa de vida a dois.

Porém não é apenas a paixão que muitas vezes impede, há de tudo um pouco, preconceito, vergonha, tabus - ah se há tabus -, moralismo arraigado, criação castradora, moral excessiva, medos, etc.

Afinal companheiro e cúmplice é aquele com quem vamos dividir nossos dias, nossas vidas dali para a frente e de quem esperamos saber as flores, mas também espinhos, lascas, pregos pedras e pedregulhos. É a pessoa com vamos dividir os bons e maus momentos, de quem vamos cuidar com zelo, com carinho, ser como se deve ser verdadeiros e transparentes, absolutamente na medida da reciprocidade, e se isso não for possível, então estamos embarcando numa viagem que não chegará a porto algum. Será essa a pessoa com quem vamos dividir nossos sonhos, nossos projetos de vida. Como escrevi, baseado no artigo do Mussak - "... Ser parceiro em alguns casos é fazer tudo juntos, até brigar e dormir, JUNTOS! Isso, é um projeto de vida em comum. Companheiros compartilham o que têm, do pão aos sonhos, o desejo e o prazer, à realização desse, as fantasias - sexuais também, porque não, afinal sexo é importante e necessário, e o prazer é fundamental, e, o presente e o futuro - quando ele chega. ...".

É claro que se pudermos evitar a ocorrência de decepções, desapontamentos, a relação será mais enriquecida, mas quando não podemos, faço eco às suas palavras.

"...algumas pessoas são realmente impossíveis de aceitar como elas são. Elas, definitivamente, estão muito aquém das suas expectativas e não se mostram interessadas em mudar. Neste caso, talvez seja hora de repensar mesmo a relação. E pôr um ponto final nela. Pois, se as expectativas exageradas podem destruir um bom relacionamento, um mau relacionamento pode arrasar com todas as suas expectativas de vida."

O importante é que os parceiros sejam verdadeiros e queiram realmente construir uma vida a dois, e não apenas meias vidas.

P.S. Tentei negritar o aspas, mas há falha no script do Vila, ou seja os erros de meses se perpetuam. As 06:44 de um sábado, não dá para alegarem superlotação de servidor. Os usuários nem acordaram todos.

Publicidade

Especiais Vila Mulher

Quiz de Celebridades!

Quem é mais jovem?

VILACLUB - O conteúdo da rede do Vila Mulher

Top Temas

50 tons de cinza beyoncé 50 tons de cinza bolo de cenoura bolo de chocolate cabelos curtos casamento cortes de cabelo decoração dieta dukan emagrecer flor de tecido gravidez kama sutra maquiagem penteados perfumes importados pulseiras reciclagem sapatos sexo anal sexo oral tatuagem unhas decoradas