Sobre composições de produtos cosméticos

Seg, 12/04/2010 - 11h01    |   Reportar abuso
Por lusirelli

Matérias-Primas:
São todas as substâncias puras ou mistura de substâncias que fazem parte de uma formulação. Podem ser:
-Inorgânicas ? origem natural e origem sintética
-Orgânicas ? origem natural,origem sintética,origem semi-sintética

Quanto as funções ( para a utilização e/ou para a formulação) as matérias-primas podem se classificar como:
-Tensoativas:
Os compostos tensoativos ou simplesmente tensoativos são substâncias anfifílicas, ou seja, possuem em sua estrutura molecular grupos com características antagônicas. Em todas as moléculas tensoativas há um grupamento polar que possui afinidade por água (e, também por outros compostos polares), denominado grupo hidrofílico. Na mesma molécula há também o chamado grupo hidrofóbico, que por sua natureza apolar, não possui afinidade por água, mas possui por substâncias oleosas (ou, de uma maneira geral, substâncias apolares), sendo chamado muitas vezes de grupamento lipofílico. Todos os agentes tensoativos são constituídos, portanto, de moléculas que exibem duas porções estruturais distintas que manifestam tendências opostas de solubilidade.
Os tensoativos podem ser classificados como iônicos ? tensoativos aniônicos e catiônicos-, não-iônicos e anfóteros.
Principais tensoativos iônicos de uso cosmético:
CLASSE DE TENSOATIVOS
-Aniônicos: Sabões de ácidos graxos, Lauril sulfato de sódio (ou de TEA ou de amônia), Lauril éter sulfato de sódio (ou de TEA ou de amônia), Lauril éter sulfossuccinato de sódio.
APLICAÇÃO - Sabonetes, loções de limpeza, sabonetes cremosos, sendo utilizados também para o amolecimento de comedões.
-Catiônicos: Quaternários de amônio: cloreto de cetil-trimetil amônio ou brometo.
APLICAÇÃO - Antimicrobianos, utilizados em desodorantes e em alguns xampus anti-caspas e em condicionadores capilares.
Alguns tensoativos não-iônicos e anfóteros de uso cosmético

CLASSE DE TENSOATIVOS
-Não-iônicos: .Monoetanolamida e dietanolamida de ácido graxo de coco.
APLICAÇÃO - Agentes de consistência, estabilizantes de espuma, sobrengordurantes e solubilizantes de fragrâncias.
-Óleos de mamona etoxilados.
APLICAÇÃO - Solubilizantes de fragrâncias, hidrótopos em preparações líquidas e límpidas.
-Álcoois graxos etoxilados
APLICAÇÃO - Solubilizantes de fragrâncias, detergentes, emolientes, agentes de consistência, solubilizantes de fragrâncias em preparações líquidas.
-Mono e diésteres de cadeia longa de polietilenoglicol.
APLICAÇÃO - Agentes espessantes, emulsionantes, dispersantes, opacificantes e perolizantes
-Anfóteros: Betaína de coco, Cocoamidopropil betaína, Cococarboxianfoglicinato de sódio.
APLICAÇÃO - Cremes, loções cremosas, sabonetes líquidos, géis para banho, xampus mais suaves (infantis) e géis e higienizantes.

Quanto à aplicação ou função os tensoativos podem ser classificados como emulsionantes, detergentes, agentes espumantes ou antiespumantes, agentes condicionadores, antiestáticos, bactericidas, umectantes, emolientes, dispersantes, solubilizantes, entre outros. Assim, se o tensoativo possuir a detergência como a propriedade de maior destaque será classificado como detergente. Vale salientar que um mesmo tensoativo pode possuir uma ou mais propriedades funcionais destacadas, podendo, com isso, ser classificado de maneiras diferentes nos diversos segmentos de mercado em que pode ser aplicado.
Os emolientes destinam-se a evitar ou atenuar o ressecamento.(encontramos nessa categoria vários compostos de funções orgânicas diversas).
Os umectantes são matérias-primas com propriedades higroscópicas,isto é, capazes de absorver água do ambiente,?molhando? a superfície da estrutura e melhorando a sua aparência.
Os espessantes são utilizados em uma formulação para corrigir sua viscosidade ou para dar ao cosmético a forma de gel.
Os hidratantes são higroscópicas intracelulares,ou seja,substâncias que intervem no processo de reposição do teor de água da estrutura de maneira ativa.Por esse motivo é que são diferentes dos umectantes, que são um processo passivo.
Os consevantes são utilizados em uma composição com o objetivo de preservá-la de oxidações e ataques microbianos.
Quelantes ou sequestrantes são compostos que têm a propriedade de complexar íons metálicos polivalentes (cálcio,ferro,etc).
Os perfumes ou essências são misturas concentradas formadas pela associação de substâncias que apresentam aroma,podendo ser de origem natural ou sintética.
Os corantes e pigmentos são as substâncias que levam cor,tingindo a superfície cosmética.
-Basicamente em uma composição encontramos substâncias que vão compor as seguintes categorias:
1. Veículo ou excipiente ? geralmente constitui a maior parte da formulação e vai determinar a forma física do cosmético.
2. Ativos ou princípios ativos ?substâncias químicas sintéticas ou naturais responsáveis pela ação do produto.
3. Conservantes ? substâncias que garantem o prazo de validade e segurança de uso.
4. Corretivos - são as que vão corrigir a composição conforme o efeito desejado.São espessantes, emulsionantes, sequestrantes e neutralizantes do Ph.
5. Corantes e pigmentos ? destinam-se a produzir sensações visuais ao usuário.
7. Perfumes ? composto de substâncias aromáticas que conferem ao produto sua individualidade.
Fontes: arquivos técnicos - Ricardo Pedro
Guia de Produtos Cosméticos - Tereza Rebello

Ativos ou Princípios Ativos

-Sobre Ceras, Óleos e suas Classificações:
A lanolina é uma cera natural extraída de lã de carneiro que apresenta propriedades biológicas exclusivas para o cuidado da pele. Como emoliente, seu principal diferencial é sem dúvida a capacidade de absorver água formando pseudo emulsões. Outras propriedades que agregam valor a esta matéria-prima são: a penetração nas camadas mais externas da pele e seus efeitos comprovados na hidratação.
Hoje temos a tendência em desenvolver produtos que sejam de origem vegetal, ou melhor, que se originem de fontes renováveis. É notório que o consumidor cada vez mais simpatiza com a idéia de utilizar produtos ecologicamente corretos, que sejam biodegradáveis, que a reposição da matéria-prima seja providenciada pela flora, que não polua, já que da natureza vem e para a natureza vai.
Composição da lanolina: Ela é formada por uma mistura de ésteres e poliésteres de álcoois de cadeia longa e por ácidos graxos, com predominância dos insaturados, representados por uma proporção elevada dos ácidos eicosapentaenóico (EPA), linoléico e docosa-hexaenóico.
Fonte:parte de textos retirados de artigos técnicos da Ass. Brasileira de Dermatologia.

-Sobre Conservantes usados em cosméticos:
As matérias-primas influenciam em todas as características dos produtos cosméticos, podendo ser usadas com objetivo funcional (aplicação), de estabilidade da formulação ou para influenciar a psicologia do consumidor. Assim como os antioxidantes e seqüestrantes, os preservantes são usados para manter a estabilidade e assegurar a eficácia dos produtos.
Escolhidas as matérias-primas apropriadas, as contaminações, que podem ser de origem física, química ou microbiológica, são as principais causas de insucesso na obtenção de cosméticos de qualidade e eficácia percebidas pelos consumidores. As contaminações microbiológicas são sem dúvida as mais difíceis de serem evitadas, pois, na maioria das vezes, quando em seu estágio inicial, não podem ser detectadas visualmente, mas sim por métodos de análises específicas, que demandam mais tempo que as análises físico-químicas usuais. São, também, as contaminações mais graves de todas, uma vez que elas põem em risco a saúde humana.
Contaminações microbiológicas são causadas por microrganismos, sendo bactérias e fungos os mais comuns. Para que os microrganismos se desenvolvam é necessário que encontrem condições adequadas para sua nutrição, reprodução e mobilidade no meio onde estão localizados. Os cosméticos, em geral, são excelentes meios para existência e proliferação de microrganismos, pois são fontes de elementos essenciais ao seu desenvolvimento.
Além disso, os cosméticos não são agressivos a muitos microrganismos, pelo mesmo motivo que não devem ser agressivos às células humanas. Assim, quando se tem em mente a formulação de cosméticos de excelente qualidade, não se pode deixar de lado a necessidade de utilização de um eficiente sistema preservante.
Como a maioria dos cosméticos é de uso prolongado, especialmente os produtos de tratamento, a necessidade de preservação é claramente justificada.
Muitas bases cosméticas são autopreservantes, já que impossibilitam a proliferação de microrganismos. No entanto, a maioria dos produtos cosméticos constitui excelentes meios para o desenvolvimento microbiano, especialmente porque contem água, substância essencial à vida, substratos orgânicos, fontes de carbono, hidrogênio, nitrogênio e oxigênio e, não raramente, íons metálicos, potentes catalisadores de reações enzimáticas no metabolismo de bactérias. Assim, para tornar os cosméticos que não são autopreservantes menos atrativos aos microrganismos, preservantes são requeridos.
As contaminações microbiológicas manifestam-se de diversas formas, traduzindo-se em prejuízos financeiro, de imagem e à saúde do consumidor. As principais modificações em produtos cosméticos incluem: (i) emulsões podem sofrer alterações na aparência, viscosidade, separarem-se em fases e cobrirem-se de uma camada de colônias de bactérias ou fungos; (ii) aparecimento de colorações indesejáveis em diversos produtos; (iii) preparados límpidos que dependem da limpidez como apelo de marketing podem tornar-se opalescentes ou turvos; (iv) fenômenos de fermentação desenvolvem gases que podem deformar ou quebrar frascos; (v) odor do produto pode ser alterado; (vi) não somente o microrganismo proliferado, mas também os metabólitos da ação microbiana podem ser extremamente nocivos à saúde humana.
A preservação de um cosmético pode ser conseguida por métodos físicos e/ou químicos. O uso de preservantes químicos em uma formulação aumenta a vida útil dos produtos, garantindo a preservação desde o momento de fabricação até o dia-a-dia na casa do consumidor. Esta é a principal vantagem da utilização de um preservante químico.
No Brasil, o uso de preservantes é regulamentado pela Resolução RDC nº 162, de 11 de setembro de 2001, da Anvisa. As substâncias preservantes são definidas como aquelas adicionadas aos cosméticos com a finalidade de preservá-los de danos causados por microrganismos durante a estocagem e, aos consumidores, de contaminações acidentais durante o uso. A legislação cosmética também define os ingredientes, as concentrações máximas de uso permitido e, por meio das categorias de produtos, as áreas de aplicação.
No mercado são encontrados inúmeros preservantes e cabe ao formulador escolher a melhor opção para seu produto, lembrando sempre que um preservante ideal não existe. Muitas vezes o formulador recorre à associação de dois preservantes para aumentar o espectro de atuação.
Um sistema preservante ideal apresentaria as seguintes qualidades, dentro da dosagem de uso recomendada pelo fabricante e do que a legislação permite: (i) possuir amplo espectro de atuação; (ii) ser estável em ampla faixa de pH e ser compatível com as matérias-primas comumente usadas em cosméticos, não devendo sua cor, odor e textura; (iii) apresentar um bom coeficiente de partição água/óleo para que a concentração em cada fase seja suficiente para ser eficaz; (iv) inativar os microrganismos com rapidez suficiente para evitar a adaptação microbiana; (v) ser de uso seguro, ou seja, atóxico, não irritante, não sensibilizante e não alergênico; (vi) ter custo acessível.
Dentre as alternativas de custo-benefício adequado para o mercado brasileiro estão formaldeído, mistura de isotiazolinonas, dmdm-hidantoína, biguanidas poliméricas, parabenos, fenoxietanol, entre outros.
Escolhido um preservante que apresente a maioria das qualidades citadas, deve-se realizar os testes de desafio microbiano (challenge tests), que consistem basicamente em avaliar a eficiência do sistema preservante utilizado em determinado produto, por meio de sua contaminação deliberada com carga microbiana de um ou mais tipos de microrganismos (106 organismos por grama de produto para bactérias e 105 para leveduras e fungos) e verificação do número de microrganismos viáveis ao final de um período de quatro semanas, com avaliação semanal.
A incubação é feita com os microrganismos mais comuns na indústria cosmética, a saber, Pseudomonas aeruginosa e Escherichia coli (bactérias Gram negativas), Staphylococus aureus (bactéria Gram positiva), Candida albicans (levedura) e Aspergillus niger (fungo).

A necessidade de usar um produto preservante em uma formulação é fundamental, mas não basta somente isso. Como uma preservação adequada entende-se o uso de preservantes em níveis adequados e que sejam estáveis e compatíveis com as matérias-primas constituintes do produto, embalagens e condições encontradas no meio, desde o processo de fabricação até a gôndola e, finalmente, obediência às boas práticas de fabricação e legislação pertinente.
As boas práticas de fabricação pressupõem, entre outras coisas, condições ótimas em relação ao projeto de instalação, matérias-primas, água de processo, educação da equipe de trabalho, práticas de estocagem e manuseio, limpeza e sanitização e programas de monitorização microbiológica. As embalagens constituem fator chave de sucesso na preservação, já que idealmente devem evitar a exposição do produto a contaminantes, sobretudo, microbiológicos.
parte de artigo técnico - Ricardo Pedro

-Continuando sobre Conservantes:
A confusão dos consumidores sobre os conservantes continua a impactar negativamente na indústria cosmética.
Há muita informação não verídica sendo difundida e rumores sobre riscos e segurança de conservantes, levando o consumidor a se sentir cada vez menos confiante a respeito do que acreditar ou comprar. Muitos preservantes já conhecidos e investigados como os parabenos estão sob constante ataque e alguns formuladores tentam substituir essas substâncias por outras com apelos ?naturais (green)? ou ?livre de conversantes (preservative-free)?, mas que ainda não tem seus efeitos amplamente conhecidos.
Como as notícias ruins se movimentam com mais rapidez no espaço, quanto pior a informação, seja ela precisa ou não, pior será a visão do consumidor e as indústrias serão influenciadas a mudar suas formulações. A mesma fonte de má informação será responsável por sensibilizar os fiscalizadores, forçando-os a estreitar as regulamentações. E então os consumidores enxergam isso como mais uma evidência para evitar certas matérias-primas.
Os apelos mais procurados para os conservantes ?sem controvérsias? são: livre de parabenos (paraben-free), sem formaldeído (non-formaldehyde releasing), sem iodopropilbutilcarbamato (non-IPBC) e sem isotiazolinona (non-isothiazolinone).
Os poucos fabricantes que se aventuram no desenvolvimento de realmente novos sistemas conservantes se queixam dos órgãos fiscalizadores dos diferentes países, pois nos Estados Unidos, por exemplo, não há uma lista positiva para preservantes, enquanto na Europa, Japão e Brasil existe, tornando difícil a inserção de novas moléculas mundialmente aprovadas.
A metildibromoglutaronitrila não é permitida na União Européia (UE) desde março de 2008 e os produtos que a continham foram retirados das prateleiras européias até 23 de junho de 2008.
O ácido benzóico também sofreu retaliações e teve a aprovação de seu uso modificada. Ele só pode ser utlizado em produtos enxaguáveis a 2,5% ou menos, em produtos para higiene bucal a no máximo 1,7%, e em produtos leave-on a um teor máximo de 0,5%. Os seus sais, como o benzoato de sódio e metil benzoato, só podem ser usados a 0,5% ou menos em quaisquer produtos cosméticos.
O iodopropinil butilcarmabato (IPBC) não pode ser utilizado em produtos orais ou labiais, ou em produtos infantis (para crianças de até 3 anos), exceto nos destinados ao banho e enxaguáveis. Na verdade, se for utilizado em outros produtos, deve conter o aviso no rótulo: ?não utilizar em crianças abaixo de três anos de idade?. O IPBC também não deve ser usado em cremes e loções que serão aplicados em grandes partes do corpo. De qualquer forma, ele pode ser usado em aplicações enxaguáveis até 0,02%, em produtos leave-on até 0,01% e em antiperspirantes ou desodorantes até 0,0075%.
Em fevereiro, a Colipa propôs estudos farmacocinéticos para avaliar a absorção, distribuição e eliminação de doses orais de metil, propil e butil parabenos em ratos. Dois outros estudos examinarão a sua trajetória em aplicações dérmicas e subcutâneas. Todos esses estudos buscam respostas para questões levantadas e trazer uma informação segura acerca dos parabenos.
parte de texto ? autor: Gustavo F Boaventura - Farmacêutico e Bioquímico

Reconheça no rótulo os cosméticos que fazem mal
Alguns componentes podem causar alergia, irritação e até câncer.
Os cosméticos, geralmente, são associados ao bem da beleza e da auto-estima. Mas, nem sempre, isso acontece e muitos destes produtos podem fazer mal para nossa saúde. Segundo o professor de Cosmetologia e diretor da Consulfarma, Maurício Pupo, há ingredientes em cosméticos que, quando em contato com a pele, podem trazer prejuízos ao consumidor.
Irritações, alergias cutâneas e até mesmo doenças mais graves, como o câncer, podem ser provocados por ingredientes nocivos contidos nas fórmulas. "Recomendo procurar produtos com ingredientes próprios para o seu tipo de pele, isto é, eudérmicos", diz o professor. Veja abaixo, os ingredientes mais perigosos que o professor Maurício Pupo indica observar atentamente antes de comprar e utilizar qualquer cosmético.
-Uréia: Atravessa a Placenta
A uréia é, com certeza, um dos hidratantes mais utilizados em cosméticos, tanto pela sua eficácia, quanto pelo seu baixo preço. O que muita gente não sabe, no entanto, é que a uréia é proibida para mulheres grávidas. O componente penetra profundamente na pele e tem até mesmo a capacidade de atravessar a placenta, podendo chegar até o feto em formação, trazendo ao bebê consequências ainda desconhecidas.
A fim de controlar o uso de uréia nos cosméticos, a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) determina que todas as vezes que um produto tiver na sua composição a uréia em dosagens maiores que 3%, o mesmo deve conter no rótulo o seguinte alerta: "Não Utilizar Durante a Gravidez". A ANVISA ainda resolveu proibir a fabricação de cosméticos que contenham em sua composição mais de 10% de uréia.
-Parabenos: Comportam-se como se fossem os hormônios femininos
Conforme estudo realizado na Universidade de Reading, Reino Unido, e publicado em janeiro de 2004 no Journal of Applied Toxicology, os conservantes Parabenos apresentam propriedades estrogênicas, ou seja, se comportam como se fossem o estrogênio, um hormônio feminino. Há no mundo dos cosméticos uma enorme utilização de produtos contendo Parabenos por gestantes, lactantes, crianças e pacientes sob tratamentos diversos como câncer, reposições hormonais e terapias crônicas. Hoje, o mercado possui preservantes naturais ou mais modernos que, até o momento, demonstraram segurança, permitindo aos formuladores o desenvolvimento de formulações mais seguras.
O mesmo jornal publicou que o uso de parabenos em produtos cosméticos destinados à aplicação na área axilar (como desodorantes, por exemplo) deve ser reavaliado, pois estudos recentes levantaram a hipótese de que o uso dele nessa região pode estar associado ao aumento da incidência de câncer de mama, o que foi confirmado em teste realizado recentemente. Os parabenos podem ser identificados nas formulações dos cosméticos e desodorantes com diversas nomenclaturas: Parabens, Methylparaben, Ethylparaben, Propylparaben e Butylparaben.
-Conservantes liberadores de formol: podem aumentar a incidência de câncer de pele.
Além da já conhecida toxicidade do formol, um estudo realizado no Departamento de Dermatologia da Universidade de Debrecen, Hungria e publicado no periódico "Experimental Dermatology", em maio de 2004, revelou que o formol pode contribuir para o aparecimento de câncer induzido pela radiação ultravioleta do sol. O consumidor pode se proteger destas substâncias observando cuidadosamente os rótulos traseiros das embalagens, procurando pelas seguintes substâncias: quatérnium-15, diazolidinil hora, imidazolidinil uréia e DMDM hidantoína.

-Propilenoglicol: risco de alergias
O propilenoglicol é um produto utilizado como diluente de outras substâncias, sendo muito usado em uma ampla variedade de cosméticos. O perigo de seu uso está nos problemas de pele que ele pode desencadear nas pessoas, como alergias e irritações. Um estudo realizado com 45.138 pacientes na Universidade de Göttingen, Alemanha e publicado no periódico "Contact Dermatitis", em novembro de 2005, confirmou o potencial sensibilizante (potencial para causar alergias) do propilenoglicol, confirmado por um outro estudo realizado no Departamento de Dermatologia do Hospital Osaka Red Cross, Japão e publicado no periódico "International Journal of Dermatology", também em 2005. Para saber se o seu produto cosmético contém propilenoglicol na composição, verifique a palavra propylene glycol no rótulo traseiro da embalagem.

-Óleo mineral e outros derivados do petróleo: responsáveis por diversos tipos de câncer.
Os derivados do petróleo, como por exemplo, os óleos minerais, estão presentes na maioria dos produtos cosméticos, devido sua propriedade emoliente, ou seja, hidratante para a pele. Entretanto, estudos recentes vêm associando esses componentes ao aumento da mortalidade por diversos tipos de câncer, como o de pulmão, esôfago, estômago, linfoma e leucemia. Isso se deve devido à presença de um composto chamado 1,4-dioxano, uma substância cancerígena, como relata estudos publicados nos periódicos "American Journal of Industrial Medicine" (Departamento de Epidemiologia, Escola de Saúde Pública, Los Angeles, CA outubro de 2005), "Contact Dermatitis" (Departamento de Dermatologia, Nagoya City University Medical School, Japão, abril de 1989) e "Regulatory Toxicology and Pharmacology" (outubro de 2003). Quer saber se estes componentes estão presentes no seu produto cosmético? Fácil, basta procurar no rótulo traseiro as palavras paraffin oil e mineral oil.
Matéria Prima permitida para uso em cosméticos naturais e orgânicos certificados ?IBD
1- Ácido benzóico: é um composto aromático que ocorre naturalmente em bálsamos e resinas vegetais. É usado como conservante de alimentos, porém sua ação se dá, principalmente, contra fungos.
- Benzoic acid: Aromatic compound that is naturally present in balms and vegetal resins. It is used as a food preservative. However it acts mainly against fungi.
2- Ácido cítrico: presente em muitos vegetais, comercialmente pode ser obtido a partir de processos fermentativos de carboidratos. Em cosmético é muito utilizado como adjuvante em formulações com as funções de ajuste de pH e antioxidante.
-Citric acid: present in many plants, it can be obtained commercially from carbohydrates fermentation processes. It is a very used processing aid in the cosmetic industry, as antioxidant and for pH adjustment.
3- Ácido glicólico: tem como origem a cana de açúcar ou uva imatura.
Em cosmético é usado como esfoliante.
-Glycolic Acid: extracted from sugarcane or unrape grape. In the cosmetic industry, it is used as exfoliating agent.
4- Ácidos graxos e seus condensados de origem agrícola: são matériasprimas produzidas a partir de triglicerídeos vegetais (óleos vegetais).
-Fatty acids and its condensed forms, from agricultural origin: Raw materials produced from vegetal triglycerides (vegetal oils).
5- Ácido lático: é obtido por fermentação da lactose, sacarose, amido ou glicose.
Em cosméticos é usado como adjuvante no ajuste de pH e ativo esfoliante. Quando neutralizado forma lactato que tem propriedade hidratante.
-Lactic acid: Obtained from lactose, sucrose, starch or glucose fermentation. It is used in the cosmetic industry as a processing aid for pH adjustment and as an active exfoliating agent. When neutralized, it transforms into lactate, which has moisturizing properties.
6- Ácido sórbico: encontra naturalmente em algumas frutas, é usado, freqüentemente, em industria de alimentos como conservante. Na industria cosmética tem a mesma aplicação.
-Sorbic acid: naturally present in some fruit, it is frequently used as preservative in the food processing ustry. It is used with the same purposes in the cosmetic industry.
7- Álcool cetílico: é um álcool graxo com 16 átomos de carbono extraído a partir de óleos naturais de coco e palmiste, porém pode ter, também, origem sintética e animal. Em cosméticos esta matéria-prima é utilizada como doador de viscosidade e opacificante.
-Cetilic alcohol: 16 carbon atoms fatty alcohol, extracted from natural oils of coconut and palm kernel, or from animal / synthetic origin. Such raw material is used in the cosmetic industry as a viscosity and opacifying agent.
8- Álcool cetoestearílico: é uma mistura de álcool cetílico e estearílico na proporção de 30/70 ou 50/50, empregado como doador de viscosidade e opacificante de formulações cosméticas.
-Cetostearilic alcohol: mixture of cetilic alcohol and stearyl alcohol (in the proportion of 30/70 or 50/50, respectively), used as viscosity and opacifying agents of cosmetic formulations.
9- Álcool estearílico: é um álcool graxo com 18 átomos de carbono extraído a partir de óleos naturais de coco e palmiste, porém pode ter, também, origem sintética e animal. Em cosméticos esta matéria-prima é utilizada como doador de viscosidade.
-Stearyl alcohol: 18 carbon atoms fatty alcohol, extracted from natural oils of coconut and palm kernel, or from animal / synthetic origin. Such raw material is used in the cosmetic industry as a viscosity agent.
10- Alfa bisabolol: é um álcool sesquiterpênico monocíclico insaturado com propriedades antiinflamatória e bactericida. Esta matéria-prima origina-se de produtos naturais e, normalmente, a extração do mesmo se dá através da destilação direta. Em cosméticos é usado como ativo em irritação e pequenas lesões cutâneas.
-Alpha bisabolol: it is a monocycle non-saturated alcohol with antiinflammatory and bactericidal properties. Such raw material comes from natural products and is normally extracted by direct distillation. It is used in the cosmetic industry as active agent against skin irritation and benign injuries.
11- Alfa-tocoferol (Vitamina E): natural e anti-oxidante obtido de oleos vegetais alimentares como soja e girassol, por técnicas de destilação molecular, seja por centrifugação ou processos de gravidade, que separa vitaminas das fontes naturais.
-Alfa-tocoferol (E Vitamin): natural anti-oxidant obtained from edible vegetal oils such as soybeans and sunflower, by molecular distillation techniques, either by centrifugation or gravity processes, which aims at separating complex molecules, as vitamins, from natural sources.
12- Alquil glucosídeos: são matérias-primas derivadas de produtos naturais. Alquilglucosídeos é um termo genérico usado para designar matérias-primas elaboradas a partir da condensação de moléculas de carboidratos naturais (glucosídeos) e álcoois graxos naturais (alquil). Dependendo do alqui glucosídeo formado o mesmo pode ter aplicação nas formulações de emulsões ou shampoos.
-Alkyl-glycosides: raw materials extracted from natural products. Alkylglycoside is a generic term used to designate raw materials elaborated from condensation of natural carbohydrate molecules (glycosides) and natural fatty alcohols (alkyl). Some kind of alkyl glycosides can be used in emulsion or shampoos formulations.
13-  Amido: é extraído dos grãos de trigo, de milho, de arroz, tubérculos de batata e mandioca. Em cosmético são empregados como espessantes e estabilizantes de diversos tipos de formulações.
-Starch: extracted from wheat, maize, rice, or potato and cassava tubers. It is used in the cosmetic industry as thickener and stabilizers in various kinds of formulations.
14- Aminoácidos: são os compostos químicos de base na formação das proteínas animais e vegetais. Podem ser obtidos, para emprego em cosméticos, a partir de hidrolise química ou enzimática de proteínas naturais ou por processos de fermentação. São usados em produtos para cuidados da pele e cabelos.
-Amino acids: basic chemical compounds used in the animal and vegetal protein formation. They can be obtained, for special use in cosmetics, from chemical or enzymatic hydrolyses, of natural proteins or by fermentation processes. They are used in skin and hair care products.
15- Anti-oxidantes derivados de plantas: são substâncias adicionadas em cosméticos com a finalidade de retardar processos oxidativos de ativos ou outros componentes de formulações. Os antioxidantes naturais mais usados são os tocoferóis, ácidos fenólicos, ácido cítrico, lecitinas e extratos de plantas como alecrim.
-Anti-oxidants, extracted from plants: used in the cosmetic industry in order to delay oxidation processes of active or other formulations compounds. Most used natural antioxidants are tocopherols, phenolic acids, citric acids, lecithin and plant extract such as rosemary.
16- Argila: é um silicato de alumínio hidratado, composto por alumínio (óxido de alumínio), sílica (óxido de silício) e água, resultante da decomposição por ataques químicos ou físicos de rochas feldspáticas produzindo fragmentos de partículas muito pequenos.
-Clay: hydrated aluminum silicate, made of aluminum (aluminum oxide), silica (silica oxide) and water, sulting from the chemical or physical decomposition of feldspar rocks, in very tiny particles.
17- Benzoato de sódio ou potássio: são sais sódicos ou potássicos do ácido benzóico. Os benzoatos podem ser encontrados naturalmente em frutos, cogumenlos, canela e outros vegetais. Para propósito comercial são produzidos a partir de síntese química. Estas substâncias são empregadas em alimentos e cosméticos como preservante microbiológico.
-Potassium or sodium benzoate: benzoic acid potassium or sodium salts. Benzoates can be found naturally in fruits, mushrooms, cinnamon and other plants. On commercial purposes, they can be produced by chemical synthesis. Such substances are used in the food and cosmetic industry, as microbiologic preservatives.
18- Ceras naturais: são formadas principalmente por ésteres cerosos produzidos por plantas ou animais invertebrados como a cera de abelhas. Estas ceras são coletadas de seu ambiente natural, purificadas e utilizadas em formulações cosméticas, principalmente, com a finalidade de aumentar a viscosidade de produtos e possibilitar a obtenção de formulações sólidas moldadas.
-Natural waxes: mainly composed of waxy esters, produced by plants or invertebrate animals, i.e. bee wax. Such waxes are collected in their natural habitat, purified and used in cosmetic formulations, mainly in order to increase products viscosity and to obtain framed solid formulations.
19- Dióxido de carbono (CO2): assim como o nitrogênio é uma componente do ar, porém diferente deste a quantidade é muito pequena e sua formação é resultante dos processos respiratório dos seres vivos que habitam a terra. Pode ser usado em formulações cosméticas como propelente.
-Carbon dioxide: as Nitrogen, carbon dioxide is present in the air, but in very small quantities, as a result of live beings respiratory processes. It can be used in cosmetic formulations as propellant.
20- Dióxido de titânio: composto inorgânico extraído na forma de mineral rutilo, anatase ou obtido sinteticamente. Em cosmético é usado como filtro solar, opacificante e cobertura.
-Titanium dioxide: inorganic compound extracted in the form of rutile or anatase mineral or obtained synthetically. It is used in the cosmetic industry as sunblock, opacifying and coating agent.
21- Essential oils: são compostos orgânicos voláteis aromáticos produzidos por diversas espécies de plantas e encontrados em diferentes partes das mesmas. São extraídos através dos métodos de efloração, arraste por vapor d´água, extração com solvente, prensagem e extração com dióxido de carbono. Em cosméticos são usados como ativos ou, dependendo do óleo essencial e associações feitas, auxiliar na conservação das formulações.
-Essential oils: volatiles aromatic organic compounds, produced by several plant species and present in various tissues. Extracted from water steam drawing, solvent extraction, pressing and carbon dioxide extraction. They are used in the cosmetic industry as active agents or, depending on the essential oil combinations, as formulations preservation auxiliary.
22- Estearato de potássio ou sódio: são tensoativos obtidos a partir da reação de ácido esteárico natural ou animal com hidróxido de potássio ou sódio. Os estearatos são empregados em cosméticos nas formulações de emulsões, espumas para barbear, sabonetes e obtenção de formulações moldadas.
-Potassium or sodium stearate: tensioactive substance, obtained from natural or animal stearic acid reaction with potassium or sodium hydroxide. Stearates are used in the cosmetic industry in emulsion formulations, shaving foam, soaps and framed formulations making.
23- Extratos glicólicos: são extratos de plantas obtidos por maceração da referida planta em solvente glicólico como a glicerina.
-Glycolic extracts: plant extracts, obtained from plant maceration in glycolic solvent, as for example glycerin.
24- Glicerina vegetal: é obtida a partir da saponificação do óleo vegetal. Em cosmético possui propriedade umectante/hidratante.
-Vegetal glycerin: obtained from vegetal oil saponification reaction. It is used in the cosmetic industry for its moisturizing / hydrating properties.
25- Lactato de potássio: é um sal higroscópico com alta afinidade por água usado na industria de alimentos como conservante de carnes por reduzir atividade de água e interferir no metabolismo bacteriano. Na industria cosmética pode ser usado como hidratante cutâneo.
-Potassium lactate: hygroscopic salt, with high water affinity, used in the food industry as meat preservative, since it reduces water activity and interferes in microbiological metabolism. It can be used in the cosmetic industry as skin hydrating agent.
26. Lanolina: obtida da gordura extraída da lã. Esta gordura de lã é um resíduo obtido na lavagem da lã do carneiro, onde a lã é direcionada aos lanifícios e o subproduto (graxo) é utilizado na produção da lanolina para aplicação na área cosmética e farmacêutica.
-Lanolin: extracted from wool fat, obtained from lamb wool washing: wool is used by the textile industry and sub-product (fat) is used for lanolin production, and eventually in the cosmetic and pharmaceutical industry.
27- Lecitinas: são lipídeos naturais que contêm fosfato em sua estrutura daí, muitas vezes, serem chamados de lipídeos polares, característica que confere, a esta classe de substâncias, propriedades tensoativas. Assim sendo, podem ser usadas em formulações de emulsões cosméticas e, dependendo da lecitina, pode ter propriedades antioxidantes.
-Lecithin: natural lipids that contain phosphate in its structure, reason why they are often called polars lipids, and have tensioactive properties. They can be used in cosmetic emulsions formulations and, depending on the kind of lecithin, can have antioxidant properties.
28- Monoestearato de glicerila, estearato de glicerila ou MEG: consiste de uma mistura de mono, di e triéster de gliceríla, predominando o monoéster, daí o nome monoestearato de glicerila. O MEG é obtido a partir da esterificação de glicerina animal ou vegetal como ácido esteárico de origem natural ou animal. E usado em cosmético como espessante e estabilizante de formulações.
-Glycerin monostearate, glycerin stearate: it is a mixture of mono-, di- and triglycerin ester. Since monoester is predominant, it is often called glycerin monostearate. It is obtained by a stearication reaction, from animal or vegetal glycerin, as for example stearic acid from animal or vegetal origin. It is used in cosmetics as thickener and formulations stabilizer.
29- Nitrogênio (N2): é principal componente do ar, portanto, um gás natural e muito inerte, o que o qualifica como propelente para produtos cosméticos.
-Nitrogen (N2): this is the main air compound; therefore it is a natural and inert gas, which can be used as propellant in cosmetic products.
30- Óleos vegetais: são triglicerídeos produzidos pelas sementes de alguns vegetais e armazenados nas mesmas. A extração destes óleos se dá, tradicionalmente, por prensagem ou uso de solventes orgânicos. Também pode ser usado gás carbônico.
-Vegetal oils: triglycerides produced and stored in some plants seeds. Extracted traditionally by pressing or with the use of organic solvents or carbonic gas (CO2).
31- Óxido de Zinco: composto inorgânico que pode ser encontrado naturalmente no mineral zincita, de onde pode ser extraído, purificado e utilizado, posteriormente, em cosméticos com propriedades de filtro solar, opacificante e cobertura.
-Zinc oxide: inorganic compound, naturally present in Zincite mineral, from which it can be extracted, purified and utilized in cosmetics for its sunblocking, opacifying and coating properties.
32- Proteínas hidrolisadas vegetais: são obtidos a partir da hidrolise química ou enzimática de proteínas naturais. Em cosméticos são usados em produtos para cuidados da pele e cabelos.
-Hydrolyzed vegetal proteins: obtained from chemical or enzymatic hydrolyze of natural proteins. It is used in the cosmetic industry in skin and hair care products.
33- Retinóides: este termo refere-se a um grande número de compostos como a vitamina A e seus derivados sintéticos e naturais. Algumas plantas podem produzir derivados de vitamina A que ao serem extraídos podem ser usados em cosméticos orgânicos ou naturais.
-Retinoids: this term refers to a large number of compounds such as A vitamin and its natural and synthetic derivates. Some plants are able to produce A vitamin derivates, which can be used in natural or organic cosmetics.
34- Sorbato de potássio: derivado do ácido sórbico é usado, freqüentemente, em industria de alimentos como conservante. Na industria cosmética tem a mesma aplicação.
-Potassium sorbate: sorbic acid derivate, frequently used in the food industry as preservative. Same purpose in the cosmetic industry.
35- Hidróxido de sódio: usado em fabricação de sabões, para a formação da massa base.
-Sodium hydroxide: used in soap fabrication, in order to promote the soap base formation.
36- Sorbitol: é um açúcar de álcool que pode ser encontrado naturalmente ou obtido a partir da glicose. Usado na industria cosmética como umectante/hidratante.
-Sorbitol: alcohol sugar that can be found naturally, or obtained from glucose. Used in the cosmetic industry as moisturizing / hydrating agent.
37- Talco: é um mineral formado por um silicato hidratado de magnésio, extraído de reservas naturais. Em cosméticos é usado como opacificante, cobertura e veículos para formulações em pó.
-Talc powder: magnesium hydrated silicate mineral, extracted from natural resources. It is used in Cosmetics as opacifying, coating agent and powder formulations vehicles.
http://cabelosmaravilhosos.forums-free.com/


Post original do Blog Vaidades e Variedades > Veja este e outros post's acesse:
http://luzdomar.blogspot.com/2010/04/sobre-composicoes-de-produtos.html



Assuntos Relacionados

cabelos produtos cosméticos


Seja a primeira a comentar

Publicidade

Quiz de Celebridades!

Quem é mais jovem?

VILACLUB - O conteúdo da rede do Vila Mulher

Top Temas

50 tons de cinza beyoncé 50 tons de cinza bolo de cenoura bolo de chocolate cabelos curtos casamento cortes de cabelo decoração dieta dukan emagrecer flor de tecido gravidez kama sutra maquiagem moda das famosas penteados perfumes importados pulseiras reciclagem sapatos sexo anal sexo oral tatuagem unhas decoradas